Trump determina liberação de documentos que revelam plano de Clinton para difamá-lo e vinculá-lo à interferência russa nas eleições americanas de 2016

O Presidente dos EUA, Donald Trump, determinou a quebra de sigilo de todos os documentos relacionados à investigação da interferência russa nas eleições americanas de 2016. O material revela plano de Hillary Clinton para ‘difamar’ Trump, vinculando-o à fraude na Rússia.

O presidente americano tuitou na noite passada: “Autorizei a total desclassificação de quaisquer e todos os documentos relativos ao maior CRIME político da história americana, a farsa da Rússia. Da mesma forma, o escândalo de e-mail de Hillary Clinton. Sem edições [remoções ou ocultação de informações confidenciais ou sensíveis]!”

Os documentos também lançam luz sobre a consciência do presidente Obama a respeito do plano de Hillary Clinton de vincular a interferência russa a Trump. Esses esforços aparentemente continuaram mesmo após a eleição, durante os dias finais do governo de Obama.

Trump também tuitou que divulgou a informação há muito tempo, mas as pessoas agiram muito lentamente.

“Todas as informações sobre o escândalo da fraude da Rússia foram desclassificadas [deixaram de ser secretas] por mim há muito tempo. Infelizmente para o nosso País, as pessoas têm agido com muita lentidão, até porque talvez seja o maior crime político da história do nosso país. Ajam!!!”, escreveu Trump nesta quarta-feira (7).

A Fox News relatou que o Diretor de Inteligência Nacional, John Ratcliffe, divulgou documentos revelando que o ex-diretor da CIA, John Brennan, informou ao então presidente Obama sobre o plano de Hillary Clinton de vincular o candidato Donald Trump à Rússia, a fim de distrair o público de seu uso, como Secretária de Estado, de um servidor privado em sua casa para armazenar e-mails oficiais com documentos governamentais.

As notas de um briefing da Casa Branca de 2016 de Brennan afirmam que Clinton supostamente aprovou “uma proposta de um de seus conselheiros de política externa para difamar Donald Trump, agitando um escândalo, alegando interferência do serviço de segurança russo.”

As anotações manuscritas listam “POTUS” (Presidente dos EUA), ou o então Presidente Barack Obama, entre os presentes na reunião.

Tom Fitton, do grupo conservador americano Judicial Watch, que investiga má conduta de funcionários do governo, está entrando com um pedido de abertura de processo na Lei da Liberdade de Informação para saber mais. Ele disse: “Pretendemos descobrir mais sobre essa conspiração”.

“A infame reunião do Salão Oval de 5 de janeiro de 2017 de Obama é um momento chave no esforço corrupto para difamar e espionar o presidente Trump e atingir o general Flynn com uma acusação maliciosa. Em vez de atrasar e bloquear, é urgente que o FBI, DOJ e ODNI liberem todos os registros sobre esta conspiração maliciosa e sediciosa”, disse Fitton.

“Quando todos os documentos forem finalmente desclassificados e todas as redações removidas dos relatórios, a nação verá que o FBI e a CIA não apenas sabiam que as alegações de ‘conluio’ da Rússia contra Trump eram um truque político sujo, mas que estavam envolvidos no truque”, escreveu o analista político e pesquisador do think tank conservador Hoover Institution, Paul Sperry, no Twitter.