Dos 4.078 casos confirmados do novo coronavírus (covid-19) em Salvador, 130 são de moradores do Subúrbio Ferroviário da capital baiana. De acordo com boletim divulgado pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS), 13 bairros que compreendem a região possuem diagnósticos da doença. 

O maior número está concentrado em Plataforma, 37 casos. O bairro que passou a adotar medidas restritivas contra a pandemia desde a última segunda-feira (11). Só no primeiro dia da ação na localidade, foram testadas 42 pessoas nas blitze de testagem rápida, e 10 delas foram detectadas com a Covid-19. Os números positivos representam quase 24% dos total de testes feitos. 

Além de servir de alerta para os moradores, a quantidade de confirmações da doença no bairro chamou a atenção do prefeito ACM Neto (DEM). Em uma publicação nas redes sociais, o gestor alertou sobre alto índice de contaminação no local e reforçou que as medidas foram tomadas para conter o avanço do vírus, bloqueando vias, restringindo a circulação de pessoas e suspendendo as atividades comerciais temporariamente. A ação também foi iniciada na Boca do Rio e Avenida Joana Angélica. 

O número de registros do coronavírus também é considerado alto no Lobato. Por lá, 20 pessoas receberam o diagnóstico da doença até esta terça (12). Com cinco casos a menos, Periperi também aparece em seguida como o um dos bairros do Subúrbio com mais confirmações da covid-19. A lista segue com Fazenda Coutos e Itacaranha, 11 casos cada, Paripe, 9, e Alto da Terezinha com 7 registros. 

A menor quantidade de infectados até o momento na região foi registrada nos seguintes bairros: São João do Cabrito (2 casos); Nova Constituinte, Praia Grande e Rio Sena (3 casos cada); e Alto do Cabrito (4). 

Ainda de acordo com a SMS, do número total de moradores que contraíram a doença, 50 são considerados recuperados. Lobato e Paripe lideram a lista com maior quantidade de curas, 9 cada. 

Pico da doença

O momento mais crítico da pandemia do novo coronavírus em Salvador está se aproximando de acordo com o prefeito ACM Neto. Com base em projeções do comitê de crise da prefeitura, a pressão na saúde municipal vai aumentar nos próximos trinta dias. 

Mesmo com o aumento do número de leitos de atendimento para pacientes infectados, a prefeitura não descarta um colapso na saúde. Na terça (11), foi inaugurado o primeiro hospital de campanha com 90 leitos, sendo 50 de UTIs e 40 de enfermarias. O prefeito já havia alertado para a demanda de pacientes vindos do interior do estado que acabam sobrecarregando a capital baiana.

“O que está indicado é que, do dia 20 de maio ao dia 20 de junho, temos uma situação de agravamento da situação do novo coronavírus”, afirmou o gestor.