Reino Unido | Ativistas LGBT ameaçam incendiar igreja e polícia tenta silenciar pastor para não “ofender” comunidade LGBT

Um pastor cristão no Reino Unido foi informado pela polícia local que se ele “ofender” a comunidade LGBT com um comentário na mídia social, ele pode estar infringindo a lei, mesmo que uma multidão de ativistas LGBT tenha ameaçado queimar sua igreja.

O Christian Concern informou que o pastor Josh Williamson, da Igreja Batista de Newquay, foi avisado pela polícia para manter suas opiniões em um “ambiente seguro”, após ser alvo de uma onda de ataques anticristãos, incluindo ameaças de violência e apelos para que sua igreja seja queimada.

Em 13 de agosto, Williamson (34) respondeu a um post no Facebook que informava que o evento do orgulho gay no condado de Cornualha deste ano seria cancelado. Williamson escreveu simplesmente: “Notícia maravilhosa!” abaixo da postagem.

Quando ele foi questionado sobre seu comentário por outro usuário, ele respondeu, “porque eu não acho que o pecado deve ser celebrado”.

Respondendo a mais perguntas de outros usuários, Williamson citou o que o Novo Testamento da Bíblia diz sobre homossexualismo, nos livros de João, Tiago e 1 Coríntios 6: 9-11.

Em seguida, em sua página pessoal do Facebook, ele compartilhou a notícia e escreveu: “Aleluia!! Oramos em nossa reunião de oração na terça à noite para que este evento fosse cancelado. Também oramos para que o Senhor salvasse os organizadores. Uma oração respondida, agora esperamos que a segunda oração seja atendida”.

Os organizadores do ‘Orgulho da Cornualha’ viram a página pessoal de Williamson, tiraram uma captura de tela da postagem, marcaram a Igreja Batista de Newquay e postaram junto com comentários negativos feitos por outros usuários ativistas LGBT. Eles então bloquearam os nomes em cada comentário, fazendo parecer que todos os comentários foram postados pelo pastor.

A esposa do pastor também recebeu ameaças online e uma imagem do seu rosto foi sobreposta a uma imagem de pornografia homossexual, que foi então compartilhada online.

O grupo ativista LGBT então convocou seus apoiadores para denunciar o pastor à polícia por “discurso e crime de ódio”. Os ativistas também fizeram várias ameaças, incluindo protestos nos cultos de domingo da igreja de Newquay, pedindo a revogação do status de caridade da igreja pelo governo britânico e a deportação de Williamson para sua terra natal, a Austrália.

Após as ameaças, Williamson foi convidado para uma reunião com dois membros do grupo de ativistas da parada do Orgulho Gay de Cornualha. Ele aceitou o convite e durante a reunião, ele compartilhou suas crenças cristãs e deu as boas-vindas aos membros da comunidade LGBT para frequentar sua igreja. Antes de sair da reunião, ele pediu permissão para deixar um folheto com a dupla sobre o que a Bíblia diz sobre relações homossexuais.

As imagens do folheto foram posteriormente compartilhadas amplamente por toda a comunidade ativista LGBT local, criando a ilusão de que o pastor estava distribuindo o folheto. Isso resultou em novas chamadas à polícia para investigar o pastor por um suposto “crime de ódio”.

Um post em um grupo de ativistas LGBT pedia que a Igreja Batista de Newquay, que costuma abrigar famílias, fosse incendiada. Outro usuário concordou, respondendo: “VAMOS QUEIMAR UMA IGREJA! VAMOS QUEIMAR UMA IGREJA”.

Outro usuário também ameaçou realizar uma orgia sexual em massa na igreja, convocando o grupo a agredir qualquer um que entregasse o folheto.

Williamson relatou as ameaças à Polícia de Devon e Cornwall, que foram patrocinadores da organização gay no passado. Foi-lhe dito que a situação era “complexa” e que não acreditavam que alguém do grupo fosse agir de acordo com as ameaças feitas.

A polícia disse que estava trabalhando com os dois lados para pacificar a situação, mas também disse a Williamson que ele deveria se certificar de não ofender ninguém da comunidade LGBT no futuro para evitar infringir a lei, de acordo com o Christian Concern.

O pastor disse que ele e os membros de sua congregação não ficarão em silêncio.

“Minha família e eu, e a comunidade da nossa igreja, estamos muito preocupados com o nível de abuso anticristão e ameaças de violência que temos sido alvo de nas últimas semanas”, disse Williamson em um comunicado. “A polícia não falou formalmente comigo sobre nenhum crime de ódio, nem pediu o depoimento de uma testemunha para examinar os vários comentários online que incluíram ameaças de incendiar nossa igreja”.

“Como cristãos, procuramos falar a verdade em amor e acolheríamos prontamente todas as pessoas aos nossos cultos. A Bíblia, entretanto, proclama uma mensagem de arrependimento que convida todas as pessoas a abandonarem seus pecados e a confiarem em Cristo. Seria falta de amor para nós se permanecêssemos em silêncio sobre o que a Palavra de Deus diz em relação ao pecado humano, incluindo todas as formas de pecado sexual. Portanto, devemos proclamar a verdade de que a homossexualidade é um pecado, mas que Deus ama os pecadores e Jesus pode perdoar todos os nossos pecados.”

“A Igreja Batista de Newquay é formada por pecadores que foram perdoados por um Salvador maravilhoso; sendo este o caso, convidaríamos todas as pessoas, incluindo a comunidade LGBT, para virem aos nossos cultos. Nosso desejo é que todos venham a conhecer e amar Jesus “, concluiu Williamson em sua declaração.

Andrea Williams, chefe-executiva do Christian Legal Centre, que representa o pastor Williamson, disse que essas ameaças contra os cristãos que falam contra assuntos defendidos pela comunidade LGBT estão se tornando muito comuns no Reino Unido.

“Está se tornando muito comum no Reino Unido ver ameaças e apelos à violência contra os cristãos por expressarem sua oposição simples ao Orgulho LGBT. As forças policiais devem mostrar aos cristãos que levam isso a sério, protegendo sua liberdade de expressão contra ameaças de multidões, em vez de tentar mantê-los quieto”, disse Williams.

“Os cristãos são chamados a retribuir o mal com o bem – não tenho dúvidas de que o pastor Williamson continuará a compartilhar a realidade do pecado e as boas novas de Jesus Cristo com o povo de Newquay”, acrescentou ela.

Leia também: Reverendo Franklin Graham é proibido de pregar em evento no Reino Unido por considerar “casamento” gay um “pecado”