Polícia de Minnesota pede investigação de alegações de fraude em coleta de votos no distrito da deputada esquerdista Ilhan Omar

Alegações recentes de fraude em coleta de votos no estado americano do Minnesota levaram o departamento de polícia local a investigar o caso.

A organização investigativa de direita Project Veritas divulgou um vídeo no domingo (27) que conectaria uma suposta fraude eleitoral ao distrito de Minneapolis da deputada somali-americana, Ilhan Omar, do Partido Democrata. Omar integra a Câmara dos Representantes dos Estados Unidos.

O insider político e denunciante Omar Jamal aparece no vídeo e parece envolver a deputada Omar na coleta de votos, chamando-a de “segredo aberto”.

“Ela [Ilhan Omar] fará tudo o que puder para ser eleita e tem centenas de pessoas nas ruas fazendo isso”, disse Jamal.

O Presidente dos EUA, Donald Trump, pediu uma investigação sobre o assunto.

“Isso é totalmente ilegal. Espero que o procurador dos EUA em Minnesota tenha esse e outros de seus muitos crimes sob análise séria??? Se não, porque não??? Venceremos no Minnesota por causa dela e da aplicação da lei. Minneapolis e Iron O Range salvos!”, escreveu Trump no Twitter.

Após o pronunciamento de Trump, o Departamento de Polícia de Minneapolis (MPD) anunciou no Twitter na segunda-feira (28):

“ALEGAÇÕES DE FRAUDE DE ELEITORES ESTÃO SENDO INVESTIGADAS. O MPD está ciente das alegações de coleta de votos. Estamos investigando a validade dessas declarações. Nenhuma informação adicional está disponível neste momento sobre isso.”

O líder da minoria na Câmara de Minnesota, Kurt Daudt, está pedindo uma investigação, dizendo no Twitter: “Há sérias alegações de fraude eleitoral, incluindo várias violações das leis de integridade eleitoral e eleitoral de nosso estado. Isso deve ser examinado e investigado o mais rápido possível.”

O Gabinete do Procurador do Condado de Hennepin, no Minnesota, também emitiu um comunicado dizendo: “A Procuradoria do Condado de Hennepin leva esses casos muito a sério e, após cada eleição anual, normalmente arquivamos uma dúzia ou mais de casos envolvendo algum tipo de violação eleitoral, principalmente a votação de criminosos apesar de ainda ser em liberdade condicional “.

Embora não esteja claro quem pode estar por trás da coleta de votos vista no vídeo, o Projeto Veritas relata que sua investigação encontrou três locais onde o esquema ocorreu: em apartamentos do complexo Riverside Plaza, em uma comunidade de idosos em Horn Towers e nos Serviços Eleitorais de Minneapolis, que serve como local de votação e local de entrega de votos.

No vídeo, um ex-funcionário político traz um investigador do Projeto Veritas a um local onde os participantes realizaram votações por cédulas eleitorais postais para somalis idosos.

“No final desta rua há três torres chamadas Horn Towers e lá são todos moradores idosos, e eles pegaram todas as suas cédulas”, disse o ex-funcionário. “Bata na porta e diga ‘Suas cédulas, vamos. Dê elas para mim. Dê elas para mim.’”

A deputada Omar reagiu às acusações dizendo à mídia americana que o relatório é falso.

“Ninguém no vídeo fazia, de forma alguma, parte da equipe de campanha ‘Ilhan para o Congresso’.

Assista ao vídeo da denúncia do Projeto Veritas (em Inglês) abaixo: