Navios chineses saqueiam águas ao redor de Galápagos

Uma vasta frota pesqueira de navios chineses perto das Ilhas Galápagos registrou mais de 73.000 horas de pesca em apenas um mês, recolhendo milhares de toneladas de lulas e peixes, segundo um novo relatório, publicado em 16 de setembro, baseado em análises de dados da Oceana, um grupo de preservação marinha.

Cerca de 300 embarcações chinesas foram responsáveis ​​por 99% da pesca visível fora das águas do arquipélago entre 13 de julho e 13 de agosto deste ano, de acordo com a análise do grupo. A frota estava pescando principalmente lulas, bem como espécies de peixes comerciais como o atum e o peixe-agulha, que contribuem para a economia local.

“Por um mês, o mundo assistiu e se perguntou o que a enorme frota pesqueira da China estava fazendo nas ilhas Galápagos, mas agora sabemos”, disse a Dra. Marla Valentine, analista de pesca ilegal e transparência da Oceana.

Usando uma ferramenta de mapeamento desenvolvida pela ONG Global Fishing Watch em parceria com o Google e a agência ambiental SkyTruth, a Oceana documentou embarcações chinesas aparentemente desativando seus dispositivos públicos de rastreamento, fornecendo informações conflitantes de identificação de embarcações. As novas evidências apoiam as afirmações feitas pelo governo equatoriano no mês passado. O relatório também encontrou algumas embarcações envolvidas em práticas de transbordo potencialmente suspeitas, todas as quais podem facilitar a pesca ilegal, não-declarada e não-regulamentada.

Imagens de satélite mostram navios próximos à zona de exclusão em torno das Ilhas de Galápagos. Imagem: Oceana

A China é classificada como a pior nação do mundo no índice de pesca IUU de 2019. Sua frota, de longe a maior do mundo, está regularmente envolvida na pesca predatória, visando espécies de tubarões ameaçadas de extinção, intrusão ilegal de jurisdição, licenciamento e documentação falsos de captura e trabalho forçado.

A Reserva Marinha de Galápagos é um patrimônio mundial da Unesco e cobre mais de 133.000 quilômetros quadrados ao redor do arquipélago. É um oásis para a biodiversidade oceânica, com mais de 20% de suas espécies marinhas não encontradas em nenhum outro lugar do planeta.

“Infelizmente, esta é apenas a ponta do iceberg quando se trata do impacto da enorme frota de pesca em águas distantes da China em nossos oceanos”, disse Valentine.

“A situação em Galápagos deve levantar sérias questões e preocupações sobre o impacto que a enorme frota pesqueira da China está tendo nos oceanos que navega.”