“Não é papel do jornalismo fazer de tudo para derrubar um governo”, diz Lacombe

O jornalista Luis Ernesto Lacombe voltou a tecer críticas contra parte da imprensa brasileira.

Em nova declaração, o novo contratado da RedeTV! afirmou, em entrevista concedida à colunista Fábia Oliveira, do jornal O Dia, que “parte da mídia tradicional se comporta como um partido político derrotado”,

Segundo ele, “não é papel do jornalismo fazer de tudo para derrubar um governo”.

“Boa parte da mídia tradicional se comporta como um partido político derrotado nas eleições. Omitir ou diminuir o que é bom no governo, aumentar o que é ruim, até mesmo inventar problemas, defeitos, isso tem sido um comportamento comum de alguns veículos de comunicação. Chegamos ao cúmulo de ver a Associação Brasileira de Imprensa pedir o impeachment do presidente da República. Definitivamente, não é papel do jornalismo fazer de tudo para derrubar um governo”, declarou Lacombe.

Ele assegurou que Bolsonaro é uma pessoa sincera e que o modo ‘reativo’ dele faz com que certos jornalistas aproveitem de situações atípicas.

“O presidente é uma pessoa autêntica, sincera, direta. Mudar seu jeito parece impossível. Ele é mais rude, reativo, e alguns jornalistas se aproveitam disso. Seria melhor um presidente conciliador, que evitasse confronto com a imprensa? Talvez. Certo é que muito pior seria termos um presidente que quisesse ‘regular a mídia’, o que Bolsonaro nunca cogitou, mas Lula e Dilma, sim, diversas vezes”, disse.

E acrescentou dando uma sugestão ao presidente:

“Como o presidente é espontâneo, impulsivo e boa parte da imprensa alimenta uma guerra contra ele, o melhor é que fale menos com os jornalistas. Ele já faz ‘lives’ às quintas-feiras, talvez pudesse dar apenas entrevistas coletivas pontuais, preferindo sempre o silêncio a uma reação mais dura. O conselho que eu daria a ele é bem simples: tenha paciência. Ainda que às vezes seja difícil, ser paciente é sempre recomendável.”