Luciano Huck fala em desejo de liderar uma geração na política: “Estou aqui”

Luciano Huck, apresentador da TV Globo, disse nesta segunda-feira que deseja liderar uma geração na política para fazer as “transformações que o Brasil precisa”.

A declaração foi dada durante reunião do Conselho Político e Social (Cops) da Associação Comercial de São Paulo, segundo o Estadão.

“Eu quero mobilizar, liderar, fomentar uma geração para que a gente participe ativamente das transformações que o Brasil precisa. Ninguém vai entregar isso de graça para a gente.”

E acrescentou:

“Sobre a questão da coragem [de se candidatar a presidente], estou aqui, não é? Estou aqui conversando sobre temas que não são óbvios para mim, como energia, reformas. Tenho estômago para ouvir opiniões diversas, para estar em cena em um momento tão delicado do país. Neste momento, estou sentado aqui como cidadão ativo, que está no debate público.”

Alvo de críticas 

Mesmo sem ter concorrido a nenhum cargo político até o momento, as posições de Luciano Huck vêm incomodando muitos brasileiros, principalmente o eleitorado conservador.

Meses atrás, ele teceu fortes críticas ao mais recente nome do ministério da Educação, Milton Ribeiro, antes mesmo dele ter o trabalho iniciado.

Ele sugeriu que Milton, que é pastor evangélico e dentre outras formações acadêmicas, é doutor em Educação pela Universidade de São Paulo, que “deixasse suas crenças e ideologias em casa e ajude a educação a progredir”

“O MEC anda p/ trás há 1,5 ano. Educação é a ferramenta + poderosa no combate a desigualdades e ampliação d oportunidades. Um ministério q requer competência técnica, gestão e diálogo. Espero [que] o novo ministro deixe suas crenças e ideologias em casa e ajude a educação a progredir”, escreveu Luciano Huck em sua conta no Twitter.

O movimento Sleeping Giants, que surgiu Estados Unidos, com a ideia de derrubar o financiamento de portais de notícias conservadores, já ganhou a versão do ‘Sleeping Giants Brasil’.

O perfil anunciou atuação ‘BR’ nesta última segunda-feira, 18 de maio, e rapidamente já fez várias empresas anunciarem a remoção de propaganda no Jornal da Cidade Online (JCO), portal escolhido para ser o primeiro a receber ‘boicote’ do grupo.

Como já registramos aqui no Conexão Política, a iniciativa visa censurar a mídia alternativa com pretexto de combater o “extremismo”.

O boicote funciona da seguinte forma: pessoas anônimas se organizam registrando o anúncio da empresa exibido no site considerado “extremista” e denunciam para as respectivas empresas alegando que suas marcas estão sendo veiculadas em algum site considerado “racista”, “machista” ou qualquer outro adjetivo desprovido de significado substancial, mas que possui uma carga linguística negativa pesada, induzindo e condicionado que essas empresas boicotem os sites e consequentemente que gere uma queda considerável da receita lucrativa dessas empresas de mídia alternativa.

Em maio, Luciano Huck, usou o Twitter para declarar apoio ao movimento.

Huck, que possivelmente será candidato à presidência da República, vem usando as redes sociais para demonstrar um pouco mais de suas percepções políticas.

Foi então que ele escreveu:

“Belíssima iniciativa. Necessária. Vamos seguir. Vamos apoiar”, escreveu o artista.