O governador Rui Costa fez um apelo à população do extremo-sul da Bahia para que seja cumprido o decreto estadual que propõe medidas ainda mais restritivas de circulação e comércio na região. Durante o Papo Correria desta quarta-feira (3), o petista reforçou a necessidade de ficar em casa e só sair quando for possível.

Para isso, vale adiar os eventos sociais e até aquela conversa no “boteco”, para tentar diminuir a taxa diária de contaminação que ultrapassa a marca de 20% em municípios como Teixeira de Freitas e Nova Viçosa.

Sobra a decisão de limitar a restrição após às 18h, com o termo que ficou conhecido como toque de recolher, que visa impedir a circulação de pessoas e carros após às 18h, Rui explica que durante o dia muitas obrigações precisam ser cumpridas, como idas aos bancos e mercados, por isso a decisão válida para o turno da noite.

“Durante o dia você precisa ir na agência bancária para comer, comprar comida para o seu animal, precisa ir na farmácia comprar remédio, mas de noite a gente impede aglomeração nas comundidades. O bate-papo, festinhas de jovens, bares e botecos lotados. Nesse momento dá para ficar sem ir no boteco tomar uma, sem jogor dominó”, pede o governador, que recomenda que até a próxima terça-feira (9) todos aproveitem a medida restritiva para curtir com filhos e família. 

Rui anunciou ainda que aguarda a chegada de novos respiradores nesta quinta-feira (4). Com os equipamentos, segundo o governador, será possível inaugurar ao menos 20 novos leitos que estão praticamente prontos em Teixeira de Freitas. Na entrevista, ele não detalha quando os leitos ficarão disponíveis para receber pacientes com Covid-19.

O BNews entrou em contato com a assessoria da Sesab, mas até o momento da publicação não obteve resposta.

Em Eunápolis, a expectativa é de abrir entre 10 a 20 leitos de UTI em um hospital privado que estava fechado e foi requisitado pelo Governo da Bahia. Para serem disponibilizados à população é indispensável a contratação de uma equipe de intensivistase médicos, enfermeiros e técnicos, uma dificuldade recorrentemente citada por Rui. 

Em tom de alerta, o governador lembra que não se deve olhar para a ampliação dos leitos como uma “solução” para o problema, uma vez que é necessário equipá-los e contratar profissionais, além de que será insustentável em determinado momento prover o atendimento se a taxa de contaminação não for controlada na região.

“Vamos abrir mais 20 leitos em Teixeira de Freitas, com isso são mais 30 ou 40 leitos – não sei se em Enáupolis cabem 20 também. Mas não podmso considerar que a solução é ampliar leito de UTI, porquê não temos equipamentos suficientes nem pessoal para abrir todos os leitos”, explica.

Neste momento, de acordo com Rui, o melhor a se fazer é manter a “união” entre as pessoas, ainda que cumprindo as normas de distanciamento social. Ele pediu a “contribuição” dos moradores do extremo-sul para o cumprimento do decreto, que deve ser encarado como um “remédio amargo”, porém necessário para conter a crise do novo coronavírus.

“Precisamos nos unir, para surtir efeito. Quero pedir contribuição sua, comerciante, trablhador, estudante, se todo mundo ajudar, tomar o remédio amargo de uma vez, vamos sair dessa mais rapidamente no extremo sul. Precisa ficar até terça-feira com mobilidade reduzida, atividade reduzida, convívio social reduzido para que a gente obtenha resultado de imediato”, convoca.