O empresário Carlos Wizard Martins, ex-dono da escola de inglês que mantém seu nome e hoje à frente de marcas como Pizza Hut e KFC, anunciou neste domingo (7) que deixou seu cargo de conselheiro do Ministério da Saúde e não aceitou o convite feito para outra posição no governo.

“Informo que hoje deixo de atuar como conselheiro do Ministério da Saúde, na condição pro bono [sem salário]”, afirmou em rede social. Ele relata na publicação que recebeu outro convite, para assumir a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos da pasta, mas que recusou.

“Agradeço ao ministro [da Saúde] Eduardo Pazuello pela confiança, porém decidi não aceitar para continuar me dedicando de forma solidária e independente aos trabalhos sociais que iniciei em 2018 em Roraima”, disse.

“Peço desculpas por qualquer ato ou declaração de minha autoria que tenha sido interpretada como desrespeito aos familiares das vítimas da Covid-19 ou profissionais de saúde que assumiram a nobre missão de salvar vidas”, escreveu.

Neste fim de semana, Wizard causou polêmica ao afirmar, em entrevista ao jornal O Globo, que o governo iria recalcular os mortos pela Covid-19, engrossando as indicações da gestão de Jair Bolsonaro no sentido da omissão e manipulação de informações sobre a pandemia.

À Folha de S.Paulo, o empresário recuou em parte, dizendo que a ideia não era “desterrar mortos”, mas olhar para frente, embora tenha mantido a afirmação de que, para ele, os dados podem estar inflados -apesar de especialistas da área citarem o contrário, a subnotificação.

Apesar de citar a área de ciência e tecnologia como a mesma de sua formação na Universidade Brigham Young, instituição ligada a igreja a que é vinculado, Wizard teve a carreira voltada ao mundo empresarial.

A primeira experiência foi na escola de inglês, vendida em 2013, com outras do setor, por R$ 2 bilhões. Hoje, está à frente do grupo Sforza, que diz ter deixado com os filhos.