Empresa de desenhista cristã é boicotada por se recusar a desenhar bandeira trans e a patrocinar o Black Lives Matter

Uma campanha de ódio na internet destruiu mais um negócio. Desta vez, foi o trabalho de animação bem-sucedido de uma estudante cristã de 23 anos de idade da Regent University, no estado da Virgínia, nos EUA. O sucesso de seu trabalho foi tão grande que chegou a pagar por sua educação em uma das melhores faculdades cristãs do país.

A arte de desenhar é uma paixão para Emily Arunt, que aos 11 anos, depois de assistir a vídeos de pessoas desenhando online e animando, decidiu que queria fazer o mesmo. Desde então, Arunt fez seu nome com a empresa ‘Lupis Vulpes‘, um estúdio de animação de ponta e conhecido por seus personagens animais de olhos arregalados e com mais de 214.000 assinantes no YouTube.

Seu negócio teve tanto sucesso que ela o usou para pagar a faculdade. Até agora, ela havia conseguido cobrir sua mensalidade, acomodação e alimentação para seu primeiro ano e o início de seu segundo ano.

“Eu sei que é apenas o Senhor e Ele o tem abençoado muito”, disse Arunt à CBN News.

Em sua biografia no Twitter, ela se identifica abertamente como uma “seguidora de Jesus Cristo”.

Tornando sua fé cristã pública, Arunt sabia que poderia pagar um alto preço; e foi o que aconteceu neste ano, após ela recusar a dois pedidos de clientes.

O primeiro a encarregou de desenhar um personagem e depois pediu que ela incluísse a bandeira do movimento transexual.

“Eu disse a eles que não me sinto confortável fazendo isso e que sou cristã”, disse ela.

Em seguida, Arunt disse que outro cliente insistiu para que ela doasse dinheiro para promover a organização Black Lives Matter (BLM).

“Eles queriam que eu investisse muito dinheiro na organização e também anunciasse, mas pareceu estranho e manipulador, então eu não fiz isso.”

Foi quando o mundo de Arunt desabou de repente. Aconteceu enquanto ela dirigia para a faculdade neste semestre. “Meu telefone começou a explodir com mensagens e alertas de pessoas”, disse ela.

A comunidade de animação rapidamente se voltou contra ela, começando o que é conhecido como “boicote”, rotulando a empresa por suas “visões transfóbicas e homofóbicas”.

Isso levou a um documento online de seis páginas com links para capturas de tela e postagens em mídias sociais detalhando seus “supostos crimes”.

Vários vídeos destacaram o que ela fez, bem como sua resposta em vídeo aos críticos, em que ela não abordou diretamente suas alegações, mas em vez disso, focou em compartilhar o Evangelho de Cristo.

Apesar das exigências de seus críticos online, Arunt disse que não irá se desculpar. Por isso, a comunidade de animação que costumava elogiar e encomendar seu trabalho agora a colocou na lista negra.

“No que diz respeito ao meu negócio, acredito que esteja destruído”, disse ela. Mas Arant não desistirá de sua faculdade.

“O Senhor – Ele me disse para ir para a Regent [universidade], então vou continuar a ir para a Regent até que o Senhor feche a porta”, explicou ela.

Arunt acredita que Deus usará a campanha de ódio para os Seus propósitos.

“De fora, parece que perdi, mas realmente acho que isso foi uma vitória para o Senhor. Se isso puder ter ajudado uma pessoa a encontrar Cristo, então valeu a pena perder todo o meu negócio – e eu realmente quero dizer isso”, disse ela.