Diplomacia chinesa da armadilha da dívida: Camboja assina acordo de livre comércio com a China que lhe garante US $ 140 milhões em empréstimos

O Camboja assinou um acordo de livre comércio com a China na segunda-feira (12) que espera “ajudar” a compensar a perda de um esquema de isenção de tarifas para exportações para a União Europeia e que garantiu US $ 140 milhões em empréstimos de Pequim para vários dos “projetos prioritários” do país.

Falando na cerimônia de assinatura do Acordo de Livre Comércio Camboja-China (CCFTA), o Ministro do Comércio do Camboja, Pan Soraksak, disse que o CCFTA “significa um laço ainda mais forte entre os dois países e marca outro marco histórico importante para as relações Camboja-China”.

“O acordo proporcionará uma parceria econômica mais robusta por meio de um maior grau de acesso ao mercado, liberalização de bens, serviços e investimentos”, disse ele.

“A implementação oportuna deste acordo proporcionará benefícios econômicos e sociais para as pessoas dos dois países de uma maneira mutuamente vantajosa.”

Pan Sorasak disse que espera que os dois lados concluam a ratificação do acordo e comecem a implementá-lo “no início de 2021”.

O Ministro do Comércio da China, Zhong Shan, disse que as negociações ocorreram “rapidamente” para o CCFTA, que ele chamou de “um novo marco no desenvolvimento das relações econômicas e comerciais bilaterais” entre os dois países.

“A China está pronta para manter uma comunicação estreita com o Camboja para pressionar pela rápida entrada em vigor do acordo”, disse ele.

Embora os detalhes do primeiro acordo de livre comércio do Camboja com um país estrangeiro não tenham sido divulgados, espera-se que se concentre no corte de tarifas relacionadas aos setores de agricultura, turismo e comércio do Camboja.

Em julho, após encerrar as negociações do acordo, Sok Sopheak, secretário de Estado do Ministério do Comércio, disse a repórteres que, quando o CCFTA entrar em vigor, cerca de 340 produtos cambojanos, incluindo pimenta, frutas, produtos pesqueiros e carne serão exportados para China com reduções tarifárias de até 95%.

Depois que a UE impôs tarifas em maio do ano passado, as exportações de arroz do Camboja para a China aumentaram, mas uma fonte com conhecimento da situação, que falou com a Radio Free Asia (RFA) sob condição de anonimato porque não foi autorizado a discutir o negócio, disse que o CCFTA não incluem reduções de tarifas sobre os grãos.

O governo cambojano disse que espera aumentar as exportações para a China em 20% ou mais a cada ano e que o comércio bilateral entre os dois aliados alcance US $ 10 bilhões em 2023. Dados comerciais da ONU mostram que em 2018, o Camboja exportou US $ 1,3 bilhão em valores de bens para a China, ao mesmo tempo que importou US $ 6,1 bilhões em produtos chineses.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Wang Wenbin, disse que o negócio se concentra na cooperação da Nova Rota da Seda (Belt and Road Initiative – BRI) da China, comércio de bens e serviços, investimento, cooperação econômica e técnica, e comércio eletrônico.

A BRI de US $ 1,3 trilhão é uma estratégia geopolítica expansionista do líder comunista chinês Xi Jinping, que apresenta grandes “investimentos” para construir infraestrutura de comércio entre a China e países da Ásia e outros continentes. O governo chinês tem sido criticado pela comunidade internacional por utilizar dessa infame “diplomacia chinesa” da armadilha da dívida – que desidrata estrategicamente um país, mergulhando-o em empréstimos insustentáveis e controlando suas empresas e setores estratégicos, buscando ocupar os ativos de países estrangeiros.

Além do CCFTA, a China se comprometeu a entregar US $ 140 milhões em empréstimos e subsídios para projetos de infraestrutura que o Camboja identificou como “prioridade máxima”, incluindo a ligação da cidade costeira de Sihanoukville com Hong Kong por cabo submarino de fibra óptica, construindo uma usina de energia e construção de estradas. Outros negócios incluíram projetos para melhorar um hospital e construir um sistema de esgoto em Sihanoukville – uma cidade que tem visto um “investimento” chinês significativo nos últimos anos.

A assinatura do CCFTA ocorreu exatamente dois meses depois que a UE suspendeu o acesso livre de tarifas ao seu mercado sob a iniciativa “Tudo Menos Armas” ( Everything but Arms – EBA) para cerca de um quinto das exportações do Camboja, citando retrocessos na democracia e nos direitos humanos. A EBA é uma iniciativa da União Europeia pela qual todas as importações para a UE provenientes de países menos desenvolvidos são isentas de impostos e quotas, com exceção de armamentos.

A suspensão deve resultar em uma perda de cerca de US $ 1,1 bilhão dos US $ 5,8 bilhões anuais do país em exportações para a UE, cerca de 75% dos quais são compostos de roupas e têxteis – uma indústria crucial no Camboja que emprega um milhão de pessoas.

Em julho, o porta-voz do Ministério do Comércio do Camboja, Seang Thai, afirmou que o CCFTA “não tem como objetivo substituir o EBA”, mas “trazer benefícios adicionais ao país”.

No entanto, sindicatos e analistas advertiram na época que a oferta ao Camboja para compensar a perda parcial da EBA buscando um acordo de livre comércio com a China deixaria o país mais pobre e em dívida com Pequim.