Com 13 infectados, policiais da 7ª Delegacia reclamam da falta de equipamentos de proteção e avisam que serviços irão parar

Dos 27 policiais que trabalham na 7ª Delegacia de Polícia, localizada no bairro do Rio Vermelho, em Salvador, 13 estão com coronavírus. Um deles está em estado grave na UTI de um hospital particular da capital baiana. Os agentes estão em pânico com a possibilidade de mais colegas estarem com a doença.

Em denúncia ao BNews, um dos policiais reclama que a delegacia não passou por desinfecção e que não há equipamentos de proteção individual, como máscaras, luvas, proteção fácil de acrílico ou álcool em gel. Quem quiser se proteger, precisa comprar e levar para o trabalho.

“É complicado. Essa situação cria pânico na gente. Não temos como trabalhar certo. Segunda-feira já não vai ter efetivo suficiente. O setor de inteligência, por exemplo, praticamente não está funcionando. Ficamos com medo de perder a vida no trabalho e deixar os nossos familiares”, contou o policial civil que preferiu não se identificar.  

Todos os infectados estão afastados do trabalho, mas a suspeita é que a contaminação tenha ocorrido entre eles antes dos resultados dos testes. Outra reclamação é que os policiais estariam tendo que arcar com os exames para detectar se estão com coronavírus.

“Queremos pedir pro governo testar todos os policiais e distribuir máscaras, luvas, álcool em gel e outros equipamentos de proteção individual. Além disso, é preciso desinfectar as delegacias”, solicitou o agente público.

Resposta da PC

A Polícia Civil informou que a 7ª Delegacia Territorial (DT) funciona normalmente e que policiais afastados preventivamente, após contato com um servidor testado positivo para a Covid-19, começam a retornar da quarentena nesta segunda-feira (1º). 

“Todos os policiais que tiveram contato com o infectado passaram por testes no Departamento Médico da Polícia Civil (Demep), foram imediatamente afastados e seguem monitorados pelo departamento. Assim como outras unidades, a 7ª DT/Rio Vermelho recebe regularmente kits de limpeza e equipamentos de proteção individual. A reposição deve ser solicitada pelos gestores das unidades à diretoria do seu departamento, procedimento padrão na requisição de qualquer material”, alegou a instituição.

Ela também assegura que as delegacias contam com equipes de higienização que realizam esse serviço interna e externamente diariamente.