Califórnia aprova lei que cobre cirurgias de redesignação sexual para adultos e terapia hormonal e mastectomias para menores com dinheiro público

O governador do estado americano da Califórnia, Gavin Newsom (Democrata), aprovou uma nova lei que utiliza fundos de contribuintes para cobrir os custos de cirurgias de redesignação sexual para adultos e terapia hormonal e mastectomias para menores de idade.

Newsom assinou várias novas leis neste sábado (26) que apoiam a agenda LGBT esquerdista às custas do dinheiro público.

O projeto de lei 132 do Senado permite que presidiários sejam reconhecidos pela identidade escolhida em vez do sexo biológico. Quando os indivíduos são admitidos no Departamento de Correções e Reabilitação da Califórnia (CDCR), os oficiais perguntam em particular se eles se identificam como transexuais, não-binários ou intersexuais.

Os presos podem pedir para serem mantidos em uma área que abriga homens ou mulheres, mas a lei diz que o CDCR não pode negar o pedido de um preso por causa de sua anatomia ou orientação sexual. No entanto, o estado pode recusar um pedido se tiver “preocupações de gerenciamento ou segurança”.

Newsom também assinou o P/L 2218 – Fundo de Patrimônio e Bem-estar para Transexuais (Transgender Wellness and Equity Fund) –  usando o dinheiro dos contribuintes para dar às crianças tratamentos e procedimentos médicos que poderiam impactar negativamente sua saúde e vida.

O projeto concede subsídios para hospitais e clínicas que oferecem terapia hormonal e cirurgias de redesignação sexual e são afiliados a organizações lideradas por ativistas LGBTs.

Alguns médicos da Califórnia estão se manifestando contra a medida por causa de preocupações sobre os riscos médicos para as crianças, como a infertilidade.

O Dr. James Grisolia, neurologista de San Diego e diretor estadual da Academia Americana de Ética Médica da Califórnia, disse à CBN News que este assunto é muito preocupante para as crianças.

Vários deputados estaduais republicanos criticaram o projeto de lei, pedindo aos pais que não negligenciem a realidade desses experimentos que alteram a vida e os efeitos adversos que podem ter nas crianças.

Dr. James Dobson, psicólogo e presidente do instituto James Dobson Family Institute, disse em um comunicado que o PL 2218 “apoia a mutilação e esterilização sexual”.

“Nenhuma sociedade racional ou indivíduo compassivo poderia celebrar a mutilação de adolescentes ou adultos. E, ainda assim, este projeto de lei financiaria procedimentos incluindo mastectomias duplas em meninas adolescentes e amputações genitais e procedimentos reconstrutivos para indivíduos com mais de 18 anos. Isso não é autonomia de realização pessoal –  isto é a celebração de atos de crueldade”, disse Dobson. “Fazer experiências com crianças e adultos vulneráveis ​​não é apenas antiético; é moralmente repugnante.”