Mais de 40 mil pessoas morreram no Brasil após serem contaminadas com a Covid-19, desde março.
Segundo dados compilados pelo consórcio entre Folha, O Estado de S. Paulo, Extra, O Globo, G1 e UOL, o país registrou 40.276 mortes, em balanço divulgado às 13h desta quinta-feira (11). O levantamento é feito com a coleta de dados das Secretarias de Saúde dos estados.

O Brasil chegou à marca menos de três meses após o primeiro óbito por um infectado de Covid-19, no dia 17 de março, em São Paulo. Com mais de 10 mil mortes, o estado do Sudeste concentra um quarto dos óbitos de contaminados com o novo coronavírus.

O Brasil é o segundo país no mundo em número de casos de Covid-19, atrás dos EUA, segundo o agregador de dados da Universidade Johns Hopkins. Em relação ao total de mortes, ocupa a terceira posição. Se for mantido o ritmo diário de crescimento de óbitos, pode ultrapassar em breve o Reino Unido, segundo da lista, que registrava mais de 41 mil até esta quarta-feira (10).

A iniciativa do consórcio de veículos de compilar e divulgar os dados sobre Covid-19 é uma resposta a atitudes recentes do governo Jair Bolsonaro, que ameaçou sonegar dados, atrasou boletins, retirou informações do ar, deixou de divulgar totais de casos e mortes e divulgou informações conflitantes.

Após determinação do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, o portal do Ministério da Saúde que reúne dados sobre a epidemia voltou a informar nesta terça o total de mortes e casos acumulados até o momento. As informações haviam sido tiradas do ar na sexta (5).

A pasta também voltou a divulgar os totais em seu balanço diário. Segundo boletim desta terça, foram contabilizados 1.272 novos óbitos e 32.091 casos nas últimas 24 horas, totalizando 38.406 mortes e 739.503 pessoas infectadas.

Números de Alagoas e Santa Catarina, que não haviam sido informados na segunda (8), foram reincluídos na contagem.