Abortista que se gabava de cortar as cordas vocais de bebês durante abortos perde a licença médica

A Dra. Leah N. Torres, uma abortista do Alabama, nos EUA, conhecida por sua crueldade e falas bestiais no Twitter, teve sua licença médica suspensa.

Torres é a médica que provocou uma forte reação em 2018, quando se gabou de cortar as cordas vocais de bebês durante a realização de abortos. No tweet, que ela já excluiu, a abortista escreveu: “Você sabe que os fetos não gritam, certo? Primeiro, eu faço o corte transversal da corda [vocal], então não há realmente oportunidade, se eles estiverem desenvolvidos o suficiente para ter uma laringe. Não vou pedir desculpas por realizar a medicina. Eu também sou uma ‘estripadora de útero’, se é assim que você gostaria de descrever a histerectomia”.

Torres posteriormente defendeu seu comentário, argumentando que ela não realiza abortos por benefícios financeiros. No entanto, sua tentativa de justificar sua fala com seu forte raciocínio “moral” em apoio ao aborto falhou.

No final de agosto, a licença médica da abortista foi revogada. Torres, que tem servido sob uma licença temporária como diretora médica do West Alabama Women’s Center, uma clínica de aborto em Tuscaloosa, fez declarações fraudulentas em seu requerimento de prática da medicina, segundo o Conselho de Examinadores Médicos do Alabama.

O Conselho negou um pedido de certificado de qualificação em 19 de agosto, e em 27 de agosto suspendeu temporariamente sua licença para praticar medicina “até que uma audiência seja realizada sobre as acusações contra ela.”

Uma audiência foi marcada para a Comissão de Licenciamento Médico em Montgomery, em 21 de dezembro.

De acordo com o relatório:

A carta de notificação do Conselho de Examinadores Médicos diz que Torres, em seu requerimento, deu respostas falsas a várias perguntas, incluindo se os privilégios de sua equipe foram revogados ou suspensos em qualquer hospital ou unidade de saúde.

Também diz que Torres fez “declarações públicas relacionadas à prática da medicina que violam os altos padrões de honestidade, diligência, prudência e integridade ética exigidos dos médicos licenciados para exercer a profissão no Alabama”.

Na quinta-feira, a ativista americana pró-vida, Lila Rose, fundadora do Live Action, elogiou o Conselho por sua decisão. Ela também respondeu ao tweet apagado de Torres, escrevendo: “Abortistas não praticam medicina. Torres assassinou milhares de crianças. Todos os estados da América deveriam suspender todas as licenças de aborto e recusar-se a permitir que o massacre continue.”

Aparentemente em resposta à revogação de sua licença, Torres culpou o “patriarcado”.

“Bom dia, patriarcado”, escreveu Leah Torres em 10 de setembro no Twitter.